Tudo posso naquele que me fortalece

Filipenses 4:10-13

10 Alegrei-me, sobremaneira, no Senhor porque, agora, uma vez mais, renovastes a meu favor o vosso cuidado; o qual também já tínheis antes, mas vos faltava oportunidade.
11 Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação.
12 Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez;
13 tudo posso naquele que me fortalece.

Como é importante podermos confiar em Deus e sabermos que Ele supre cada uma de nossas necessidades.

Eu preferi começar esse post com um trecho da Bíblia que li hoje pela manhã, ao invés de comentar alguma coisa e citar o texto depois, como de costume, não apenas para dar a ênfase devida ao trecho da Palavra, mas porque resolvi ressaltar o contexto de um dos versículos mais erroneamente citados do Novo Testamento, especialmente pelas igrejas-empresa neo-pós-pentecostais que brotam e se multiplicam cada dia.

Quem acompanha meu espaço sem espaço possivelmente já deve ter lido eu comentar sobre esse texto antes, não sei se cheguei a publicar algo aqui, mas tenho quase certeza que sim, afinal não é a primeira vez que me detenho para analisar a questão.

Não, não vou outra vez me debruçar em uma análise exaustiva de um texto que é bem conhecido e, portanto, carece de outras investidas de uma presunção teológica que não possuo.

Na verdade, chamou-me a atenção nesse texto, hoje pela manhã no meu devocional, o fato de que o apóstolo Paulo, preso em Roma, afirma que tinha se alegrado pelo cuidado que a igreja de Filipos tinha tido com ele por enviar uma oferta de sustento enquanto ele estava encarcerado.

Para aqueles que não sabem, diferentemente do sistema vigente atual, onde o estado providencia a alimentação, e cuidado, ainda que saibamos quão precário é, na Roma dos tempos apostólicos, era o preso que deveria "se virar" para comer ou ter suas necessidades básicas atendidas, fosse com familiares, amigos ou outra forma de contribuição, até porque não poderia sair para trabalhar para obter seu próprio sustento, e este e o caso de Paulo, que recebeu essa oferta da igreja que garantiu que ele não estivesse em pior situação naquele momento.

Paulo então afirma que aprendeu a viver com aquilo que tivesse às mãos, sabendo que Deus sempre provê as necessidades de seus filhos, como veio a ocorrer consigo, e como sempre acontece, também, conosco.

É interessante que, diferentemente do que muitos pregam e enfatizam o versículo 13 como sendo a chave para abrir as portas das bençãos celestiais, quase uma palavra mágina, um abracadabra que liberaria o gênio-da-lâmpada-Deus para executar aquilo que nós, "servos", ordenássemos, Paulo enfatiza muito mais as situações de provação e privação que ele experimentou e continuava a experimentar, e que elas é que, por sua vez, geravam nele a fé necessária para dizer, apesar de tudo, e justamente este tipo de tudo, é que ele podia, que ele suportava, naquele que lhe dava força.

O caráter do verso é exaltar o Deus que não nos abandona à nossa própria sorte, mas está conosco mesmo, e talvez principalmente, nos momentos de adversidade que, sim, nós cristãos passamos.

O cristão, filho e servo do Senhor, não está alheio ou livre de problemas, sofrimentos e tribulações como fazem ou querer fazer crer os líderes dessas supostas igrejas de hoje em dia.

Muito ao contrário, ouso dizer que, baseado no que lemos na Palavra, e nos testemunhos incontáveis de gerações de servos, mártires na pregação do amor de Deus, é justamente pelo fato de servimos que iremos sofrer, padecer necessidades, ser perseguidos, mas o Pai estará sempre ao nosso lado, como aconteceu com os amigos de Daniel ao serem jogados na fornalha acesa, ou mesmo Jesus quando foi tentado no deserto, ou nesse caso de Paulo na prisão.

O livro de Filipenses que acabei de ler hoje, mais uma vez, é um livro motivador, escrito para uma igreja que não enfrentava, pelo menos segundo os textos da carta de Paulo, nenhum problema em particular no tocante à doutrina, e Paulo, em uma situação de bastante desconforto, encontra em Deus a força para confortar aquela igreja que sofria em empatia devido a essa situação.

Sim, tudo podemos naquele que nos fortalece.

Mas, concluindo, não podemos esquecer de duas coisas que podemos entender do texto acima:

1) não podemos por nosso próprio esforço, nem dependemos da nossa própria força, mas de Deus, que é quem nos fortalece;

2) tudo podemos, ou seja e como o próprio apóstolo bem mencionou, tanto podemos aguentar, experimentar o bom, quanto, e principalmente o mal que certamente nos sobrevem.

Deus nos abençoe, de maneira que possamos realmente, passar por todas essas coisas sabendo que é Ele quem nos dá a força para suportarmos todas elas, situações boas ou más que vierem em nossas vidas.

Anúncios