Escarnecedores

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Salmos 1:1

A Palavra de Deus, especialmente no livro de Salmos, nos ensina diversas coisas que podemos ser e fazer, ou deixar de ser e fazer de modo a nos tornarmos pessoas felizes, ou como inicia esse versículo, bem aventurados.

Tem dois dias que tenho acordado com esse texto no meu coração e na minha mente e gostaria de compartilhar algumas coisas que Deus tem me ensinado a esse respeito.

A primeira delas vemos na primeira parte do versículo, ou seja, que é feliz o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, e está relacionado a que tipo de conselhos nós ouvimos.

Existem diversos versículos bíblicos referentes à conselhos, que tipo de conselhos devemos ouvir e de quem devemos ouvir, e para pormos em prática os conselhos, mas um que eu gosto particularmente é o abaixo:

Não havendo sábios conselhos, o povo cai, mas na multidão de conselhos há segurança. Provérbios 11:14

Por que eu gosto desse versículo em particular, em “detrimento” de tantos outros que também falam de conselhos?

Há dois aspectos nesse versículo que eu acredito que estão particularmente relacionados com o que estamos estudando de Salmos:

  1. É necessário haver conselhos para que o povo, as pessoas, não venham a cair. Mas não é qualquer tipo de conselho, são os conselhos sábios, pois conselhos ruins são ainda mais danosos que a falta deles. Isto é importante porque vemos no texto de Salmos que é feliz aquele que não anda conforme o conselho dos ímpios, e considero feliz essa analogia dos dois versículos, sendo um deles o “andar” e o outro o “cair”, duas coisas que estão intimiamente relacionadas entre si. Quando andamos estamos sujeitos a, eventualmente e por um sem número de razões, tropeçar e cair. Andar conforme o conselho dos ímpios me traz à mente a imagem de um cego querendo andar por um caminho que não conhece e pedindo orientação às pessoas que, infelizmente, o guiam com orientações erradas, muitas vezes até de maneira intencional. A queda é feia e certa, e duras serão as feridas, os arranhões, e quem sabe quanto tempo a pessoa levará para se levantar e se recuperar de tudo isso?
  2. Na multidão de conselhos há segurança, ou seja, quando recebemos conselhos de pessoas diferentes, que podem nos mostrar perspectivas diferentes sobre determinado assunto ou circunstância, estamos munidos de maior conhecimento e experiência, e há menos chance de errarmos, de tropeçarmos e cairmos. Aqui também é válido destacar que os conselhos podem ser bons ou ruins, mas quando temos muitos conselhos fica mais fácil distinguir quais são de Deus e quais não são, quais são sábios e proveitosos e quais certamente nos levarão ao abismo e à destruição. Voltando mais uma vez ao texto de Salmos, o nosso andar passa a ser com segurança, e certamente não será conforme o conselho do ímpio, do homem mau.

A segunda coisa que tenho aprendido com esse texto encontra-se na segunda parte do versículo, que diz que é feliz o homem que não se detém no caminho dos pecadores e isso me faz perguntar a mim mesmo que tipo de caminho escolhi caminhar, qual a estrada da minha vida, e novamente lembro de uma palavra de Jesus a respeito da escolha que fazemos quanto ao caminho que iremos trilhar:

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; Mateus 7:13

Essa palavra de Jesus nos remete a duas oções, um caminho que é árduo, estreito, sinuoso como aquele à beira de um despenhadeiro ou precipício, que nos é custoso trilhar, mas que no final é como quando chegamos ao topo da montanha, a vista é linda, o final compensa; ou ainda um caminho que é aparentemente tranquilo e sem dificuldades, repleto de alegrias frágeis e passageiras mas o final é apenas sofrimento, frustração e dor, ou pior, a própria perdição.

Então, para sermos felizes devemos ter em vista que caminho prosseguir, e Jesus mesmo nos ensina qual o caminho que devemos buscar:

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6

Jesus é o caminho no qual devemos andar. O nosso alvo é certo, que é a presença constante do Pai, e somente através de Cristo alcançaremos esse alvo, por isso devemos dia após dia desenvolver uma vida de intimidade com Jesus, sabendo que ainda que a gente caia Ele mesmo nos ajuda a levantar, e quando não tivermos mais forças para prosseguir, o Senhor nos carrega em seus braços como um bom pastor que leva suas ovelhas a um lugar de descanso (Salmos 23).

Uma terceira coisa que podemos aprender nesse versículo de Salmos encontra-se no final e diz que feliz é o homem que não se assenta na roda dos escarnecedores. Mas, afinal, o que é um escarnecedor?

Escarnecedor no dicionário significa zombador, e quando vi o significado desta palavra imediatamente me veio à mente aquele tipo de pessoa que não leva nada a sério, brinca com tudo e com todos, muitas vezes até com coisas e situações que não se deve brincar, tira brincadeiras de mal gosto a ponto de ferir os sentimentos ou até agredir fisicamente alguém, como o bullying, muito discutido esses dias.

Também lembrei-me das pessoas que gostam de aparecer fazendo os outros diminuirem, e aquelas pessoas que fofocam, falam mal dos outros pelas costas, ou ainda fazem pouco caso de problemas que indevidamente compartilhamos com eles.

Será que você conhece ou já se deparou com alguém assim em sua vida? É muito chato, sinceramente, e olhe que não estou dizendo para levarmos a vida sem qualquer espécie de humor. A vida é bela e nós temos diariamente diversas razões para sorrir, para fazer graça de maneira sadia e não precisamos recorrer a esse tipo de comportamento para levarmos a vida numa boa.

O título dessa mensagem é “Escarnecedores” porque gostaria de passar um pouco mais de tempo falando sobre eles. Esse versículo termina com essa parte talvez não por dar mais ênfase ou importância a esse tipo de pessoa ou conduta, muito embora eu particularmente perceba desta forma porque o escárnio é algo muito prejudicial em nossas vidas. Com esse tipo de comportamento abalamos e até mesmo por vezes destruimos relacionamentos, amizades, a confiança que temos em alguém ou que esse alguém tem em nós ou em outras pessoas, ferimos sentimentos alheios, e até a reputação de alguém pode ser manchada de maneira que será muito difícil, custoso e demorado para se reerguer ou se limpar, se é que terá volta…

Além disso, o escárnio é algo que é contaminoso, é como uma doença, um vírus que se espalha de maneira rápida e mortal. A pessoa que fala mal de alguém não se contém com uma só pessoa, pode ficar certo disso, e se você está sentando com ela para fazer isso, quem te garante que na hora que você se levantar não será você de quem essa pessoa irá falar?

Sobre isso lembro-me da recomendação dada pelo apóstolo Tiago, irmão do Senhor Jesus:

Mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal. Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim. Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa? Tiago 3:8-11

O que esse texto está dizendo é que não há a menor coerência entre a gente se dizer cristão e professar o que é bom, falar do amor de Deus em Cristo Jesus e por outro lado ficar por aí esculhambando os outros, falando dos outros pelas costas, ficar contando piadas sujas ou se ajuntando às pessoas que ficam conversando o que não se deve por exemplo.

Aliás, com relação a isso, lembrei de um outro versículo:

Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes. 1 Coríntios 15:33

O escárnio é exatamente uma má conversa e o resultado é justamente o que esse texto fala, ou seja, acaba corrompendo os bons costumes. Alguém que era puro, que tinha uma vida honesta, de tanto dar ouvidos a pessoas que nada têm a acrescentar, pelo contrário, acaba desviando-se também do seu alvo, que como já falei é Deus.

Por último nesse assunto gostaria apenas de destacar algo que considero de fundamental importância que são os lobos em pele de cordeiro. Como assim?

Lobo em pele de cordeiro é aquela pessoa que se faz passar por uma coisa sendo outra. Aliás, faço uma analogia com a mentira, como o pastor da minha igreja costuma dizer: a pior mentira não é aquela que é gritantemente mentirosa, que todo mundo percebe e não acredita, mas aquela que tem cheiro de verdade, parece verdade, tem gosto de verdade e a gente acaba engolindo, acreditando, mas é mentira.

Assim, trazendo pra nossa realidade, quem seria o lobo em pele de cordeiro? Lobo em pele de cordeiro pra mim é aquela pessoa que se diz irmão na fé, se veste como religioso, fala usando linguajar e gírias (chavões) gospel, vai na igreja, e às vezes é até “do fogo”, mas sua vida não é compatível com o que fala, seu discurso não bate com a realidade. Sobre estes, o apóstolo Paulo já nos alertou:

Já por carta vos tenho escrito, que não vos associeis com os que se prostituem; Isto não quer dizer absolutamente com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo. Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais. 1 Coríntios 5:9-11

Vejam bem que a ênfase que Paulo dá não é com relação às pessoas do mundo porque estas por fina força nós já sabemos com quem estamos lidando. Não! Paulo nos alerta e nos exorta sobre aqueles que vivem no nosso meio religioso e na verdade são cobras, são o diabo disfarçado. Estes são muito mais venenosos e perigosos pois estão com um pé na igreja e outro no mundo, não saem de cima do muro, não vivem o evangelho de Cristo nem deixam outros viverem e às vezes até os arrastam para fora, para longe do amor de Deus.

Mas, acho que já me fiz entendido com relação a isso tudo e gostaria de encerrar somente analisando duas coisas mais de aspecto prático e a primeira delas a gente pode perceber como há uma progressão no comportamento visto no texto.

Como assim?

O versículo inicia com “bem aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios”. A pessoa está em movimento, está seguindo sua vida.

Logo em seguida o versículo continua com “nem se detém no caminho dos pecadores”. Aqui vemos que a pessoa que estava em movimento agora encontra-se parada. Por que parou, parou por quê?

Por fim temos “nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Este é o último passo na história dessa pessoa. Será? Uma pessoa que está andando, resolve parar, depois senta, o que posso imaginar é que daqui a pouco ou ela resolve voltar do caminho que estava trilhando ou pior, deita e dorme ou acaba morrendo… Essa é a lógica natural das coisas.

Ninguém que traça um plano, que tem um caminho a prosseguir, simplesmente para e começa a jogar conversa fora, ficar de papo pro ar, “tomando uma cervejinha” inocente com a galera depois do expediente, por exemplo, sabendo de antemão que aquilo ali não irá colaborar para o seu bem estar pessoal, e ainda irá lhe atrasar, irá desviá-lo do percurso e terá um fim que não era o fim pretendido.

É importante percebermos que nada começa grande, seja o que é bom seja o que é ruim, e um comportamento que inicialmente é permissivo com o que é mal, daqui a pouco será ativo na sua realização. Começamos dando ouvidos, depois paramos para refletir e por último sentamos para pô-lo em prática, tanto o que é bom, tanto mais o que é ruim.

A segunda coisa e última aplicação prática que gostaria de trazer é que não há, virtualmente, uma diferença significativa entre os três tipos de pessoas com quem nos deparamos em nossa vida mencionadas nesse versículo, quais sejam os “ímpios”, os “pecadores” e os “escarnecedores”.

Ímpio é a negação de quem é pio, ou seja, é o que não é piedoso. Segundo o dicionário, é aquele que despreza a religião, não tem fé, herege, incrédulo e infiel. Palavras bem fortes. Por sua vez, pecador é aquele que comete pecado, aquele que ofende, desobedece a Deus. Por último temos escarnecedor, do qual já muito falamos acima.

Vocês viram só como no fundo no fundo não há muita distinção entre “ímpio”, “pecador” e “escarnecedor”? Falar mal dos outros, contar piadas sujas ou de mal gosto, fofocar, e tudo o que demais caracteriza o escarnecedor, o zombador, é pecado pois ofende não só a Deus mas também as pessoas, e certamente não é o tipo de comportamento esperado de uma pessoa piedosa, religiosa, dotada e praticante de fé no Deus que abomina todas essas coisas.

Concluindo, o próprio texto de Salmos 1 nos diz qual o remédio para não fazermos essas coisas, nos dá a receita para a verdadeira felicidade que não está apenas em se abster desse tipo de comportamento descrito no verso 1:

Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Salmos 1:2

A verdadeira felicidade é alcançada quando nos deleitamos na Palavra de Deus. É como o pastor da minha igreja costuma dizer, que não deixamos de pecar simplesmente lutando contra ele, mas nos aproximando da luz que é Jesus por intermédio da oração, da leitura e prática da sua Palavra e então, naturalmente deixamos, abandonamos nossa natureza pecadora. Essa é a maneira de vencer o pecado, não dar ouvidos ao conselho do ímpio, não parar no caminho dos pecadores, nem muito menos sentar para ter comunhão e gastar tempo com o zombador, mas dedicar-se ao estudo da Bíblia.

E não é apenas ler friamente a Palavra de Deus, senão meditar, raciocinar, pensar a respeito, considerar, matutar, de dia e de noite, ou seja, o dia inteiro, de maneira incessante, conectados 24 horas por dia ao nosso Senhor através do seu Espírito que habita em nós e vai nos ensinando, exortando, corrigindo nosso percurso, nos tornando mais parecidos com Cristo.

Agora analise bem a sua vida, que eu mesmo irei fazer isso com a minha: que tipo de conselho você tem ouvido e de quem? São bons conselhos ou são conselhos bons de se jogar fora? Qual o “currículo” de quem está te aconselhando, e não estou falando do currículo acadêmico ou profissional, mas se a história de vida dessa pessoa é condizente com o esperado de um servo do Senhor, alguém de quem realmente vale a pena ouvir conselhos? Qual o caminho que você tem caminhado, o caminho bom, embora muitas vezes dificil, ou o caminho mal, dos prazeres efêmeros e que sempre parecerá mais fácil? Com quem você está se associando, com que tipo de pessoa você se relaciona, sai, conversa, abre o seu coração, pessoas de Deus ou pessoas do mundo?

Deus nos abençoe a dia a dia desenvolvermos um padrão de conduta irrepreensível que somente será construído através da meditação constante e profunda na sua Palavra, sempre atentos para ouvir o que Deus tem para nos falar através do seu Espírito, e pondo em prática tudo aquilo que o Senhor Jesus espera de nós.

Anúncios

Metanóia

‎"Metanóia é uma palavra de origem grega (μετάνοια , metanoia) e significa arrependimento, conversão (tanto espiritual, bem como intelectual), mudança de direção e mudança de mente; mudança de atitudes, temperamentos; caráter trabalhado e evoluído." – Wikipedia

É interessante que o texto clássico de Romanos 12:2 onde encontramos esse termo fala de mudança de mente, pois da mudança de mente, que é algo interno, decorre a mudança de comportamento, que é algo externo.

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2

Se pararmos para prestar atenção, não vemos Paulo dizer para mudarmos nosso comportamento apenas, deixando o interior do mesmo jeito, o que é bem condizente com o ensino de Cristo de sermos autênticos e íntegros (inteiros), ao contrário dos fariseus, a quem Ele chamou de sepulcros caiados (Mateus 23:27), bonitos por fora mas podres por dentro.

Quando Paulo começa o texto dizendo para não tomarmos a forma do mundo, ou seja, não nos comportarmos como o mundo, ele faz questão bem clara de dizer o como, que é através da mudança interior.

Um precede o outro, mas se começarmos pelo interior, apesar de talvez demorar mais e ser mais difícil, a mudança será definitiva e duradoura, não apenas uma tentativa que poderá ser revertida a qualquer momento quando não aguentarmos mais a pressão do mundo que nos cerca…

A quem recorrer no nosso momento de aflição?

Que faria eu no meu momento de maior angústia, quando sinto como se todos tivessem me abandonado e a alegria tivesse fugido da minha presença? Correria eu para aqueles cuja boca proferem falsas esperanças baseadas numa emoção efêmera, ou me voltaria ao Deus da minha salvação, de cujo amor constante e eterno nunca posso duvidar, pois Ele nunca me desampara?

Certamente seria loucura a minha decisão e insensato o meu pensamento se desprezasse o conselho de Deus e me fizesse surdo à voz dos que me amam, rendendo-me às fábulas, desfrutando de algo que não poderia ser duradouro uma vez que se sustenta em elos frágeis de uma corrente que só me aprisiona, até o momento que decido me entregar completamente ao amor e ao perdão de Cristo.

Mas não! Olho para trás e lembro deste Deus que caminha comigo, ao meu lado, dentro, e por cima cuidando de mim com seu doce Espírito que faz brotar do meu interior um rio de alegria indescritível. Ele me traz um renovo e uma esperança, me consola e me conforta, e é a força na minha fraqueza. Nele posso confiar pois Ele nunca falha.

Controlar a língua, uma difícil luta pessoal

Pensando aqui em muitas coisas que saem da minha boca e que são de Deus, e muitas que também saem mas infelizmente não são. O que quer que saia, a Bíblia diz que é disso que o coração está cheio, e pelo visto quanto mais sai, mais cresce dentro, então penso que cada vez mais, dia a dia, embora custoso e doloroso o processo, devo mortificar meu velho homem, cedendo lugar ao Espírito Santo para que complete sua obra.

O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração. Lucas 6:45

Lembro-me da luta constante do apóstolo Paulo em fazer o que sua fraca carne desejava, e que era mal, em oposição ao que ele próprio desejava, o que era bom, que vinha do Espírito de Deus agindo em seu coração.

Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo. Romanos 7:19

Por outro lado há que considerar seriamente o que nos exorta o irmão do Senhor, o apóstolo Tiago, sobre a língua, e como a usamos para bem e para mal, o que não é bom.

Com a língua bendizemos ao Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus.
Da mesma boca procedem bênção e maldição. Meus irmãos, não pode ser assim!
Acaso pode sair água doce e água amarga da mesma fonte? Tiago 3:9-11

Mas no princípio de tudo isso, penso que está não apenas controlar a língua, mas o alimento com que alimentamos ou nosso lobo ou nosso cordeiro, porque se a boca fala do que o coração está cheio, cabe cuidar do que enchemos nosso coração. E aí, meus amigos, só vejo graça e esperança na metanóia, renovação da mente em Cristo Jesus.

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.  Romanos 12:2

Esforço em vão

‎Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.
Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono. Salmos 127:1,2

Duas vezes vemos a palavra "vão" e ainda uma a palavra "inútil", mas quantas vezes temos feito todo o nosso esforço em vão em tentativas inúteis de construir, fazer, obter, ignorando a palavra do salmista que diz que o Senhor deve tomar a dianteira de todos os nossos planos e propósitos?

Posso extrair lições valiosas desses texto:
1) a independência de Deus nos leva a uma vida que requer mais esforço do que o normal para alcançarmos nossos sonhos;
2) ainda que venhamos a atingir esses sonhos, eles não nos trarão outra coisa senão frustração, pois não era aquilo que o Senhor nos tinha preparado, ou ainda que fosse, não desfrutamos do principal, sua presença, seu caminhar conosco durante a obra;

‎3) é o Senhor quem cuida de nós, quem milita por nós, quem trabalha por nós, portanto por que desprezar o seu auxílio?
4) aqueles que confiam em Deus e entregam a Ele o seu cuidado recebem toda provisão e não carecem de preocupação, pois o Senhor os dá enquanto dormem!

Pense nisso próxima vez que você estabelecer em seu coração sonhos, metas, que devem ser buscados, sim, mas acima disso, dependa inteiramente em Deus, confie nEle, entregue a Ele seus sonhos, sua casa, sua vida. Ele te criou, quem mais do que Ele para te conhecer tão profundamente e saber o que é melhor para você?

Deus nos abençoe.

Uma só realidade e duas perspectivas: vitória ou derrota?

E cantavam juntos por grupo, louvando e rendendo graças ao SENHOR, dizendo: porque é bom; porque a sua benignidade dura para sempre sobre Israel. E todo o povo jubilou com altas vozes, quando louvaram ao SENHOR, pela fundação da casa do SENHOR.

Porém muitos dos sacerdotes, e levitas e chefes dos pais, já idosos, que viram a primeira casa, choraram em altas vozes quando à sua vista foram lançados os fundamentos desta casa; mas muitos levantaram as vozes com júbilo e com alegria. Esdras 3:11,12

Vemos nesses versos do livro de Esdras uma narrativa que fala sobre duas distintas perspectivas de uma mesma realidade: a reconstrução do templo do Senhor. Houve aqueles que, felizes pela vitória ainda que pequena, glorificaram a Deus em júbilo e adoração; por outro lado, houve alguns que permaneceram presos ao passado, e só conseguiram lamentar a derrota, sem celebrar a liberdade e a reconstrução.

Isso nos traz uma lição e um alerta: qual a nossa perspectiva acerca das bençãos que Deus tem nos dado HOJE? Estamos presos às vitórias do passado e consideramos o presente pequeno demais que nos parece mais uma derrota do que vitória, ou agradecemos a Deus preparando nosso coração para coisas ainda maiores?

Bençãos de paraquedas

Muitas bençãos de Deus não são específicas para uma pessoa em particular, mas para uma situação ou contexto em particular, bastando alguém reconhecer a benção naquele meio ou lugar e se encaixar ali, esperar a benção chegar e agarrá-la com unhas e dentes.

Pensei numa metáfora interessante sobre isso, como aqueles caixotes com comida ou remédios que são lançados de paraquedas por aviões em regiões de fome ou desastres naturais. Algumas pessoas veem aquilo descendo e sentem medo, não reconhecem a ajuda e fogem pensando no pior. Outras resolvem arriscar, esperam a caixa terminar de descer e, mesmo com medo, tentam abrí-la e obter aquilo que está em seu interior.

Agora a questão é, como eu e você estamos lidando com as situações de benção que Deus está mandando para nós como que em caixas descidas de paraquedas? Será que reconhecemos o potencial e a oportunidade de salvação e de benção, ou fugimos de medo frente ao desconhecido, perdendo o livramento e a vitória?

A benção de Deus já está lá, descendo de paraquedas, e de fato já quase toca o chão, portanto não desistamos, nem fujamos com medo, mas esperemos pacientemente e tomemos posse dessa benção, afinal, se não o fizermos alguém fará por nós, porque a benção certamente não irá se perder, irá para alguma pessoa, que pode muito bem ser eu ou você! Deus nos abençoe.