Falsos profetas de uma prosperidade que não vem de Deus

Geazi, servo de Eliseu, o homem de Deus, pensou: “Meu senhor foi bom demais para Naamã, aquele arameu, não aceitando o que ele lhe ofereceu. Juro pelo nome do Senhor que correrei atrás dele para ver se ganho alguma coisa”.
Então Geazi correu para alcançar Naamã, que, vendo-o se aproximar, desceu da carruagem para encontrá-lo e perguntou: “Está tudo bem?”
Geazi respondeu: “Sim, tudo bem. Mas o meu senhor enviou-me para dizer que dois jovens, discípulos dos profetas, acabaram de chegar, vindos dos montes de Efraim. Por favor, dê-lhes trinta e cinco quilos de prata e duas mudas de roupas finas”.
“Claro”, respondeu Naamã, “leve setenta quilos”. Ele insistiu com Geazi para que aceitasse e colocou os setenta quilos de prata em duas sacolas, com as duas mudas de roupas, entregando tudo a dois de seus servos, os quais foram à frente de Geazi, levando as sacolas.
Quando Geazi chegou à colina onde morava, pegou as sacolas dos servos e guardou-as em casa. Mandou os homens de volta, e eles partiram.
Então entrou e apresentou-se ao seu senhor Eliseu. E este perguntou: “Onde você esteve, Geazi?” Geazi respondeu: “Teu servo não foi a lugar algum”.
Mas Eliseu lhe disse: “Você acha que eu não estava com você em espírito quando o homem desceu da carruagem para encontrar-se com você? Este não era o momento de aceitar prata nem roupas, nem de cobiçar olivais, vinhas, ovelhas, bois, servos e servas.
Por isso a lepra de Naamã atingirá você e os seus descendentes para sempre”. Então Geazi saiu da presença de Eliseu já leproso, parecido com neve. – 2 Reis 5:20-27

Ontem estava deitando para dormir quando Deus me fez lembrar da história de Geazi, e outras três que mencionarei a seguir, no contexto dos pregadores da teologia da prosperidade que hoje infelizmente maldizem o verdadeiro evangelho de Cristo.

Deus me falou como são parecidos os falsos profetas, falsos pastores, falsos pregadores que dizem aquilo que Ele NÃO mandou dizer, ao invés de pregar aquilo que SIM Ele ordenou.

Geazi é o primeiro exemplo, servo do profeta Eliseu que NÃO recebeu os presentes de Naamã quando ele por Deus foi curado. Geazi aproveitou-se da situação e tentou levar vantagem da fé e boa vontade alheia, pior, agindo em nome de Deus e do profeta, do “homem de Deus”, e o resultado nós conhecemos pelo texto, Deus, por intermédio do profeta, castigou Geazi com a lepra que originalmente afligia Naamã.

“Homem de Deus” é uma expressão bem comum a esses oráculos da prosperidade. Eles normalmente dizem “abençoe o homem de Deus neste lugar”, “invista no homem de Deus”, mandando, incentivando as pessoas que os ouvem a doar rios de dinheiro para os líderes religiosos que comandam o show de horrores, seus anfitriãos com quem dividirão os lucros.

Certa vez fui ouvir uma palestra/”pregação” de uma pessoa de renome mundial, um expoente da teologia da prosperidade, chamado Mike Murdock. Entre muitas coisas óbvias de administração de negócios, coisas até úteis, afinal ele é um homem de negócios e pelo visto administra bem os seus, chamou a atenção como ele negociava com a fé alheia prometendo em nome de Deus prosperidade material, algo que Deus nunca autorizou ninguém a fazer, e como ele usou essa expressão “homem de Deus”, “anjo da igreja”, e outras mais, torcendo as escrituras tentando justificar a seu modo que Deus é obrigado a nos abençoar se “investirmos” nEle, ou melhor, se investirmos em “abençoar” seu representante na terra, o seu “escolhido” para conduzir o seu povo. Receita fácil para o sucesso, não? Pelo menos o da cúpula, da liderança, esquema de pirâmide que é. De fato, sua receita de bolo, quando paramos para analisar friamente, parece mais com o gnosticismo da época de Cristo, onde pessoas faziam crer que possuíam conhecimentos escondidos da maioria para acessar o melhor da divindade e fazê-la agir em seu favor.

Mas Deus falou comigo sobre a história de uma segunda pessoa, de nome Simão, conhecido como “O Mágico”, cuja história lemos em Atos 8, a partir do verso 9.

O versículo que veio à minha memória encontra-se em Atos 8:20,21 – Pedro respondeu: “Pereça com você o seu dinheiro! Você pensa que pode comprar o dom de Deus com dinheiro?
Você não tem parte nem direito algum neste ministério, porque o seu coração não é reto diante de Deus.

Simão tentou comprar o poder do Espírito, o favor de Deus, a atuação espetacular do Senhor, a sua operação, para manter-se em proeminência, o que a mágica anteriormente lhe proporcionava. Se ele estava em evidência, ele desejava permanecer em evidência mesmo que fosse preciso pagar pelo milagre. Nós sabemos onde isso vai dar.

Hoje, homens e mulheres tentam a todo custo comprar o favor de Deus por meio do dinheiro, querem sua bênção mesmo que Deus não esteja nesse negócio pois importa não a vontade do Pai, mas a sua, querem a mão de Deus e não sua face, fazem como Simão, mágicas, truques baratos enganando a outros e a si mesmos, afinal Deus não é uma divindade pagã que precisamos domar com sacrifícios, ou manipular a nosso bel prazer fazendo oferendas, seguindo rituais, liturgias, formas ou coisas assim.

Ainda uma terceira história Deus me lembrou sobre essa pseudo-teologia barata, que foi a de Balaão, que lemos entre outros textos da Palavra, em Apocalipse 2:14, um profeta de Deus que abençoava Israel em batalha, mas que vendeu sua dignidade ao ensinar como os israelitas poderiam ser vencidos, pela idolatria, prostituição, ganância, por dinheiro passou a vender seus serviços aos reis que guerreavam contra Israel, embora no final Deus transformasse sua maldição em bênção.

Essa história me ensina que Deus tem misericórdia do seu povo, das suas ovelhas, apesar dos lobos que tentam a todo custo devorá-las, pô-las à perdição com todo tipo de ensinamento errado que as fazem desviar o olhar, o foco de atenção naquilo que é verdadeiro, puro, digno, santo, e lançá-los em bijuterias, falsificações, prêmios menores. Por outro lado, ensina que Deus tem verdadeiro ódio por quem maltrata seu povo e os faz pecar, distanciar-se dEle, ensinando heresias, então como será que fica o coração de Deus perante tantos enganadores que temos hoje em nossas igrejas, em nossos púlpitos ensinando sobre dinheiro e bênçãos e prosperidade material, quando o próprio Filho de Deus era pobre e rejeitado, nascendo no oposto de todo glamour prometido por esses “apóstolos” de Mamón!

A última lembrança que Deus me falou sobre o tema, foi através da vida do profeta Jeremias, profeta durante o exílio babilônico, conforme texto de Jeremias, capítulos 27 e 29, onde Deus explicitamente afirma que há muitos profetas pregando a prosperidade, a paz, quando Deus não os enviou, quando a guerra é iminente, quando as lutas estão prestes a chegar, lutas muitas vezes vindas diretamente do Senhor para nos provar, nos purificar, nos amadurecer, pois Deus não quer filhos mimados, servos insolentes ou preguiçosos.

Jeremias era uma voz sozinha pregando contra muitos profetas palacianos que viam o risco iminente de perderem seu ganha pão e por isso falavam aquilo que o povo e principalmente os reis e governantes desejavam ouvir.

Mas como era na época de Jeremias, assim também são as pessoas hoje, só ouvem o que desejam, só querem saber de prosperidade, vitória, glória, bens, riquezas, fama, têm comichão em seus ouvidos como bem alertou o apóstolo Paulo em 2 Timóteo 4:3, então não é de se espantar em como “prosperam” esses líderes, como “igrejas” que vendem essas novas indulgências e “relíquias” estão abarrotadas de seguidores, enquanto as que ainda professam as sãs doutrinas cada dia mais vêm fechando as portas por falta de fiéis, de verdadeiros seguidores do Cristo sofredor, homem de dores conforme Isaías 53:3, a maior antítese de prosperidade material, riqueza, fama que eles perseguem, cuja “fé” compram e vendem por aí.

O recado de Deus já foi dado diversas vezes, por meio de palavras proféticas (as originais, não as falsificadas de hoje em dia de autointitulados profetas, de araque), seguidas de sinais e maravilhas que corroboravam o poder de Deus na vida dos seus porta-vozes. Mas que sinais operam os “profetas” e “apóstolos” de hoje, engordando com a fé alheia, ganhando dinheiro e posições prometendo o que não podem entregar, em nome de um Deus que não conhecem, que está irado e não tarda em cobrar de cada um deles o mal que têm feito?

Deus nos abençoe e tenha misericórdia de nós para que possamos fugir de propostas fáceis de prosperidade material que só fazem usar Deus como um gênio da lâmpada, que glorificam e exaltam o homem e rebaixam o Senhor à posição de escravo de nossas vontades.

Anúncios