Colhemos o que plantamos

Mais alguns tweets que pensei sobre o assunto “lei da semeadura”, ou seja, que colhemos aquilo que plantamos. Com colaboração de idéias do meu irmão Heliú. Deus nos abençoe.

“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” Gálatas 6:7

Se o homem plantar arroz não há como colher feijão; se plantar trigo, não colherá soja. Assim não há como plantar coisas boas e colher más.

Porém, há uma “pegadinha”! E se o homem não plantar nada? Ainda assim colherá, ervas daninhas, que nascem para dominar e destruir tudo.

“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” Provérbios 22:6

Aqui temos uma clara aplicação da lei da semeadura, o desenvolvimento moral de uma pessoa.

Aquilo que aprendemos quando crianças levamos para a nossa velhice. Isso também é uma faca de dois gumes, pois continuaremos fazendo o que quer que tenhamos sido ensinados, quer tenham sido coisas boas, quer tenham sido coisas más.

Pensando nisso, vê lá o que você ensina seu filho, através de palavras, ações ou atitudes. Ensina NO caminho bom, plante o bem, e colherá frutos dignos, honráveis. Ensina NO caminho mal, plante o mal, e colherá desgosto e frustrações. Pense nisso!

Anúncios

Jesus, o Deus que se humilhou por mim e por você

Segue abaixo alguns tweets que escrevi sobre o fato de Jesus ter se humilhado por nós. Deus nos abençoe.

“Apareceu João batizando no deserto, e pregando o batismo de arrependimento, para remissão dos pecados. E pregava, dizendo: Após mim vem aquele que é mais forte do que eu, do qual não sou digno de, abaixando-me, desatar a correia das suas alparcas.” Mc 1:4,7

João Batista nos ensina que Jesus é tão superior que querer fazer algo por Ele é como descer à mais insignificante e repugnante tarefa…

Desatar a sandália dos pés somente um escravo faria, nenhum homem livre faria por outro. Era extremamente humilhante e sujo…

É difícil pensar em algo assim hoje em dia, até porque todo trabalho honesto é digno, mas pense como se você fosse contratado para limpar os resíduos biológicos de celas de animais em um zoológico, ou trabalhasse num caminhão de lixo? Esse era o sentimento de João.

No entanto, em João 13 vemos Jesus Cristo se por nessa posição, vejam só, o Senhor e Criador do Universo se humilhando perante criaturas…

Isso nos mostra Quem é o Deus que servimos, Aquele que nos ensina que não devemos ser superiores aos outros, que devemos servir aos outros.

Jesus inverte a lógica do sistema pois afirma que grande é aquele que serve, aquele que dá a vida pelos outros. O oposto da nossa cultura.

Ora, pois, se o próprio Deus fez isso por mim e por você, então o que Ele espera que façamos pelos nossos semelhantes, senão a mesma coisa?

Jesus conclui sua lição em João 13 dizendo: “Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.”

E ainda “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.” João 13:14,15. Glória a Deus! Siga pelo exemplo…

Bote sua fé em prática HOJE impactando vidas. Que o seu testemunho do evangelho que você diz crer seja as vidas que você ajudou! Amem.

Alguém a se buscar

Conversando com minha amiga Analice ontem, e o assunto ultimamente tem sido recorrente, fiquei pensando sobre uma pessoa que devo buscar em minha vida.

Na verdade, vou começar de novo, a gente estava conversando sobre o próximo (e hopefully o último) relacionamento que pretendo ter, não sei quando, nem com quem, nem como (pelo visto não sei de nada, senão que pretendo ter), e Ana me disse umas coisas que a gente sabe que é verdade mas analisando bem minha vida até agora acho que nunca ou muito pouco pus em prática.

Hoje já não sei se devo “buscar” alguém per si, ou se devo apenas ir conhecendo pessoas e fazendo amizades e esperar que um dia essa pessoa “especial” apareça. Tá certo, essa foi um pouco “romântica” (na verdade, me conhecendo, foi até demais), ou utópica talvez, não sei se reflete as frustrações que já experimentei na vida por bolas foras minhas mesmo, mas é que às vezes cansa você procurar, procurar, procurar, sabe mais ou menos o que se quer, tem absoluta certeza do que não se quer, às vezes acha que encontra alguém minimamente aceitável, como se a pessoa fosse um produto qualquer de uma marca que se pega no supermercado, mas acaba se decepcionando a meio caminho, ou a um terço, felizmente quando não é a caminho inteiro…

Eu sei que tem coisas que já não procuro mais numa mulher, por diversas razões, talvez por não existirem mulheres que tenham um perfil tão “completo” ou “perfeito”, e se tais existissem certamente não dariam bola para mim, por melhor que eu seja (ou fosse). Mas ainda assim continuo pensando em coisas que creio não serem “nada demais”, “no big deal”, e que acho que talvez me conduzissem a um relacionamento mais harmonioso, se é que você ter um relacionamento com uma pessoa parecida com você é garantia de alguma coisa…

Não sei se quero mais procurar. Tem aquele velho ditado que devemos encher o nosso jardim de flores para que as pessoas se sintam atraídas a vir até nós. Talvez faça sentido, e de qualquer modo não custa tentar, nem tanto pelos outros mas por nós mesmos, e por Deus.

Pensando em alguém que daria certo (?) comigo, eu não tenho como não olhar para coisas que eu gosto bastante de fazer, de como sou, coisas que penso fazer no meu futuro, então resolvi, por sugestão da minha amiga Ana fazer uma listinha de coisas que considero realmente importantes na pessoa que peço a Deus um dia encontre.

Gosto de sair. Não sou baladeiro, regueiro como dizem na Bahia onde morei até poucos dias atrás, mas curto bastante sair com meus amigos, muitos que são, para programas “de crente”, regados a muita coca-cola (suco de morango também está valendo), afinal crente não bebe, mas come que é uma beleza… Ficar em casa sexta-feira à noite pra mim é ficar na pegada do @caodadepressao, ninguém merece. Se bem que agora tem culto jovem, unid4de, nesse horário, o que ajuda um bocado. Não estou aqui desprezando o valor de um filminho ou outro programa mais caseiro, até porque ninguém tem pique de sair todo dia, ou mesmo todo fim de semana, mas que ficar sempre em casa eu não gosto mesmo, além de não ser bom para um relacionamento que pretende ser saudável e cristão (durante o namoro, pelo menos)…

Eu gosto muito de viajar, mesmo a trabalho, mas obviamente mais a turismo. Curtir uma cidade nova, cultura nova, conhecer pessoas novas, é muito interessante. O que guardo de melhor na minha vida são as minhas viagens, aqui mesmo no Brasil ou para fora, então encontrar alguém que curtisse viajar, passear, seria algo muito bom.

Eu gosto de aventura, natureza, e coisas do gênero. Praia também está incluso. Lembro aqui do tanto de coisa que já experimentei nas minhas viagens, ou mesmo que não tenha precisado viajar bastante. Quem vê minhas fotos nas redes sociais que participo vê claramente o quanto gosto de programas como cachoeiras, trilhas etc.

Pelas duas características acima percebe-se claramente que uma pessoa que não tenha pique, disposição, gás, não tem como dar certo comigo. Eu realmente não gosto de preguiça, dormir para mim é só as 8 horas mesmo porque pra mim é desperdício de vida passar o tempo todo dormindo, por melhor que seja…

Eu gosto de esportes, embora não seja bom em nenhum em particular. Já fiz natação, futebol de salão, futebol de campo, volley, basquete (sim, mesmo baixo eu fiz essas duas, dá licença?), corrida, isso sem falar em artes marciais, que gosto bastante apesar de fazer um tempo já que não pratico nenhuma, que já lutei karatê, tae kwon do, judô e boxe. Até capoeira já me matriculei, embora não tenha ido para nenhuma aula hehehehe =) Desde os 17 anos de idade eu malho. Não, não sou nem nunca quis ser bombado (e acho que minha genética não é muito favorável a isso, ainda que eu quisesse). Isso tudo é para dizer que uma pessoa que não faça exercícios físicos tem uma grande chance de não dar certo comigo.

Ainda nesse ponto, seria hipocrisia dizer que não me atraio pela beleza estética. Claro que sim, todos somos seres sensoriais e somos atraídos pelo belo, ainda que o conceito de beleza seja relativo, cultural, e pessoal acima de tudo. Os homens ainda mais do que as mulheres são atraídos primeiramente pelo que veem. Até por isso quero alguém que faça exercícios, porque creio que um casal deve ser proporcional um ao outro (para não ter jugo desigual também nessa área), e se eu sou magro, em forma, gostaria realmente de ter uma pessoa assim comigo.

Obviamente que beleza não é tudo. É fundamental, sim, é pre-requisito você achar uma pessoa atraente para ter um relacionamento. Não conheço, honestamente, alguém que em sã consciência diga de peito aberto que tem prazer em se relacionar intimamente com alguém que ache feio ou feia. Talvez um masoquista, mas não tenho como afirmar porque não conheço nenhum. Mas não dá também para se relacionar com uma casca, com alguém que seja apenas uma embalagem (lá vou eu com mais uma infeliz analogia com produtos, objetos). Pessoas assim não conseguem passar da superficialidade, e superficialidade não sustenta um relacionamento a longo prazo, com vias a ser “para sempre” e não meramente “enquanto dure”.

Posso pensar em outra coisa que considero fundamental, que é a disposição para trabalhar, ou seja, o valor que se dá ao esforço e ao sacrifício pessoal para se atingir um objetivo de vida, uma carreira, e isso diz muito pra mim, até porque quero alguém que não apenas valorize isso em si própria como também isso que tenho em minha vida. Esse ponto merece ser melhor trabalhado. Vejamos. A questão do trabalho também tem um significado com relação ao valor que a pessoa dá ao dinheiro. Eu, honestamente, em trinta anos (minha idade), nunca vi ninguém dar o correto e devido valor ao dinheiro se o mesmo não tivesse vindo do suor de seu trabalho. Não vou ousar dizer que é muito fácil gastar o que não se ganhou, até porque pode existir pessoas controladas que cuidem bem do patrimônio construído de maneira comum com apenas uma fonte de renda, mas que é difícil você ver alguém que não teve esforço gastar desmedidamente aquilo que lhe custou bastante conseguir, isso é dureza (e olhe que não estou dizendo que isso aconteceu comigo, mas que eu não queria que acontecesse, realmente não queria). E isso não é uma questão de pão-durismo x desapego, até porque não me considero pão-duro (meu irmão até talvez, mas eu não). Não concordo com o que ouvi uma vez de um pastor de uma igreja que frequentei que a mulher não deve precisar trabalhar, no sentido de que deve trabalhar apenas se quiser ou tiver vontade. Não penso assim. No entanto, e antes que atirem suas pedras, não tenho problema nenhum em “sustentar” a casa, ou seja, arcar com os custos, desde que eu veja o valor que a pessoa que está comigo dá ao esforço que faço, que tenha o mínimo de noção e consciência com relação ao presente e futuro que desejo construir e que para isso contribua com dedicação e zelo pessoal e profissional. Por outro lado também não sei se gostaria de alguém que trabalhasse demais, a tal ponto que eu fosse relegado a segundo, terceiro ou quarto plano. Uma pessoa que trabalhasse tipo 6 horas por dia, profissional liberal ou funcionária pública, seria o ideal, mas como ninguém vive de ideais, não tenho porque exigir isso de ninguém, embora saiba que isso seria bom para ambos por diversas razões…

Ufa, essa última foi grande, mas continuando… Essa próxima está de certa forma relacionada com a anterior, de certa forma… Eu sou um cara organizado. Alguns diriam metódico, beirando a neurose, mas não acho que seja tanto. Mas realmente não consigo ficar num ambiente em que as coisas estão todas espalhadas pelo chão, roupas na cama, ou as limpas misturadas com as sujas, portas e gavetas abertas, ou seja, um caos. Olhe, eu fico logo nervoso, é sério. Na minha vida só conheci 3 mulheres organizadas, minha vó paterna, uma tia minha paterna e a filha dela, minha prima, e só. Não sei se é um vício do gênero feminino e elas sejam exceções, espero que não. E machismo à parte, espero encontrar alguém que cuide da casa, que não bagunce para não ter o re-trabalho de ordenar tudo posteriomente. É até bom tocar nesse assunto, porque não espero que minha futura esposa seja uma empregada doméstica ou faça tudo na casa. Não é por aí mesmo. Tenho prazer em ajudar em muita coisa dentro de casa, e em outras eu faço também mesmo sem prazer nenhum porque sei que é importante no geral e para a pessoa em particular. Mas eu sei do valor de ser cuidado, ser tratado com carinho, ser servido (no bom sentido). Serviço não é minha linguagem do amor (é toque físico e palavras de encorajamento), mas que é bom você ver as coisas cuidadas, a própria casa e você no geral, é muito bom. Graças a Deus posso manter uma empregada, mas que a mulher tem que ter as coisas sob controle dentro de casa, isso creio ser minimamente aceitável. Também não espero ter alguém que cozinhe pra mim, pelo menos não todo dia, todas as refeições. Nem dona Benta acho que seria assim, e acho que não existem mulheres assim hoje em dia, e pelo corrido do dia nem teria tempo para ela fazer isso, nem para eu poder aproveitar isso. Não. Mas que eventualmente ela me fizesse um lanche, uma refeição esporádica já seria de bom tamanho. Aliás, eu mesmo cozinho às vezes, então isso é algo que para mim também não é pesado.

Concluindo, e quero fechar com aquilo que acho mais fundamental, eu sou um cara que tenho um relacionamento pessoal com Deus, com Jesus, com o Espírito Santo. Tenho meus defeitos, erro muitas vezes até com o próprio Pai, mas pauto minha vida, minha ética, meus valores, tudo que penso e em todo momento tento estar conectado, ligado com Deus, ouvir sua voz, seus conselhos. Não seria possível, e isso posso falar com conhecimento de causa, eu me relacionar (bem) com alguém que não digo nem que não tivesse um relacionamento com Deus, mas que não fosse um passo além, que realmente não buscasse incessantemente agradar ao Pai, experimentar esse amor derramado por Jesus na cruz do calvário. De tudo que falei, e tudo é importante pra mim, isso aqui é o ponto mais inegociável, e se tudo acima chama minha atenção numa mulher, esse aqui não apenas chama, mas retém a atenção, aprofunda, é algo inexplicável. Eu sempre trabalhei na obra do Senhor, apesar de há quase um ano estar infelizmente esquentando banco, mas pretendo logo me engajar novamente em algum(ns) ministério na igreja nova que estou começando a frequentar (Igreja Batista Candeias). E realmente queria uma mulher de Deus que também tivesse prazer em estar em sua casa. Ter momentos juntos de ler a palavra, e orar, e fazer outras coisas de Deus seria muito bom… Tenho que admitir que embora não inédito, poucas foram as vezes que tive isso em relacionamentos passados, e queria acertar dessa vez. Como diria meu discipulador, não tenho o direito de errar de novo (quem lê, entenda). Não sei se devo ser tão rígido comigo mesmo, considerando ainda mais que sou perfeccionista (um grande defeito), mas que entendo sua preocupação e cuidado para comigo e que realmente não tenho, pessoalmente, essa intenção de errar, mas confio em Deus que permita que eu acerte dessa vez…

Apesar de tudo acima, é inegável que deve haver uma química entre as pessoas, ou melhor, entre eu e a pessoa que um dia haverá de aparecer (será?). Eu já conheci uma ou duas mulheres que tinham até um perfil, um “currículo lattes” bem parecido com o que eu gosto em uma mulher, até em preferências estéticas que preferi não entrar no mérito aqui, mas que não rolou nada, nenhum interesse. Vai entender. Acho que não era pra ser, mas quem sabe breve não conheço alguém assim e que chame a minha atenção, e não apenas chame pela estética, mas prenda pelo conteúdo, pela beleza interior, pelos predicados que coloquei acima. Eu sei que tenho muitas coisas a melhorar, mas sei também de virtudes que possuo. O negócio agora é esperar, em Deus, feliz de estar de volta em Fortaleza, não buscar alguém, mas talvez esperar alguém me buscar…