Conflito existencial…

Estou vivendo um conflito existencial… nasci e me criei em igrejas tradicionais, conservadoras, radicais, como queiram… sou do interior, daí vocês imaginam, porque se meu pai é da Assembléia de Deus, e no interior é proibido até raspar as pernas (que nojo, mas deixa pra lá)…

No entanto, aqui na capital, e entre os jovens hoje em dia, mesmo no meio evangélico, é normal se falar (e fazer) sobre bebidas, baladas, sexo, festas, dança, e coisas do gênero… não sei porque, se foi minha criação, se é o que eu conheço da Palavra de Deus, e mesmo não sendo "santo", ou perfeito seria a melhor palavra, e olhando para as coisas que fiz, e algumas que faço, sem medo de hipocrisia, que provavelmente ainda é pior que o que fiz menção anteriormente, não me entra como normal um cristão fazer algumas dessas coisas, despudoradamente, sem peso na conciência, e ainda julgar ou criticar os pensam de maneira diversa…

Não sei se é um fator cultural, afinal, os evangélicos no Brasil por muito tempo foram vistos como os Assembleianos, ou seja, aqueles para quem tudo é proibido, mas sei que, embora cometa minhas falhas, tento me direcionar pelo que diz a Palavra, tentanto evitar puxar demais a sardinha pra minha brasa, vendo como simples algo que não precisa ser complicado, sem teologizar demais as coisas, e por outro lado lutando contra o meu próprio interior para não demonizar tudo também… é difícil lidar com as diferenças, de pensamento, de opinião, de doutrina, de crenças, de valores, de conceitos… ainda mais quando essas diferenças, essas lutas, estão dentro da gente dia a dia, o nosso velho homem com o novo homem, a carne contra o espírito, o nosso lobo interior querendo sair novamente…

Estou muito feliz, com muitas coisas que têm acontecido nos últimos dias, mas ao mesmo tempo preocupado… desta vez não com aonde o mundo vai parar, ou como a comunidade evangélica está se portando, mas como eu, enquanto servo do Senhor estou me relacionando com Ele, e como este relacionamento está sendo refletido na vida de outros, em que tenho influenciado, ou se tenho apenas me deixado levar pela correnteza…

Sei que não há espaço para uma experiência com esse Deus de amor do tipo Deus papai noel, nem Deus tirano, como o da musiquinha que minha mãe ainda hoje me canta "Cuidado olhinho o que vê", que me colocava medo e não temor a Deus… mas sinto como se eu mesmo banalizasse as vezes o meu relacionamento com o Pai… frustrações, não sei, talvez… comigo e com os outros, com a igreja, com a sociedade, com meus amigos, com minha família, com um monte de coisa…

Uma coisa que, apesar de tudo, e no final de tudo, eu tenho aprendido é que Deus está sempre de braços abertos a amar, a perdoar, a ser amigo… seu amor é de graça mas não deve ser banalizado, Jesus não morreu em vão naquela cruz, que arrependimento significa mudança de conceitos, e conversão significa mudança de atitudes, portanto, somente com o arrependimento e conversão poderei viver a vida que Deus me predestinou a viver…

Anúncios

Não um superhomem, apenas um cara normal… (3)

Ezequias foi um dos poucos reis de Israel (e não estou diferenciando Judá de Israel, tou falando no geral) que verdadeiramente serviu ao Senhor, procurava ser diferente, fazer o bem e tal, e isso não foi suficiente para permitir que ele passasse incólume pela vida, sem enfrentar dificuldades que todos enfrentamos. Por que será?

É interessante que a doença de Ezequias contrasta bastante com o que se prega hoje de que o servo do Senhor não pode adoecer, não pode sofrer, passar por dificuldades etc. e, no entanto, este servo do Senhor, como eu e você, sofreu com uma enfermidade (eu mesmo já cansei de ficar doente, especialmente quando era moleque). Mais adiante no capítulo 20 do livro de 2º Reis vemos que Ezequias tinha alguma forma de úlcera, porém não é dito se é de origem meramente biológica, ou se possui alguma influência maligna, no entanto, percebe-se claramente que é vontade de Deus que ele morresse e isso é muito interessante porque há pessoas por aí dizendo que TODA doença vem do inimigo e querem por fina força expulsar o demônio que traz a chaga, sem no entanto perceber se é ou não da vontade do Senhor Deus Soberando que aquela pessoa passe por aquela dificuldade… aí eu me pergunto, será que essa pessoa vai conseguir "expulsar" aquilo que Deus permitiu que se instalasse? Vai a vontade do homem prevalecer contra a vontade do Deus altíssimo?

No entanto, como vemos nos versículos abaixo (2 Reis:20), Ezequias clamou ao Senhor em oração, se humilhou, chorou nos pés do Senhor e pediu que Deus se lembrasse que ele era um homem de coração reto perante o Pai.

1 . Por aquele tempo Ezequias ficou doente, à morte. O profeta Isaías, filho de Amoz, veio ter com ele, e lhe disse: Assim diz, o Senhor: Põe em ordem a tua casa porque morrerás, e não viverás.

2 . Então o rei virou o rosto para a parede, e orou ao Senhor, dizendo:

3 . Lembra-te agora, ó Senhor, te peço, de como tenho andado diante de ti com fidelidade e integridade de coração, e tenho feito o que era reto aos teus olhos. E Ezequias chorou muitíssimo.

4 . E sucedeu que, não havendo Isaías ainda saído do meio do pátio, veio a ele a palavra do Senhor, dizendo:

5 . Volta, e dize a Ezequias, príncipe do meu povo: Assim diz o Senhor Deus de teu pai Davi: Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas. Eis que eu te sararei; ao terceiro dia subirás à casa do Senhor.

6 . Acrescentarei aos teus dias quinze anos; e das mãos do rei da Assíria te livrarei, a ti e a esta cidade; e defenderei esta cidade por amor de mim, e por amor do meu servo Davi.

O resultado da oração de Ezequias, da sua humilhação, de ter se derramado aos pés do Pai foi não uma barganha, mas um ato de misericórdia de Deus que permitiu que ele vivesse mais quinze anos.

Na verdade Ezequias, como vemos no restante do capítulo cometeu algumas bobagens em sua vida que custaram caro para o reino inteiro, no entanto podemos perceber que a vida dele se assemelha bastante com a vida de qualquer um de nós, ele não era um superherói só porque era rei, não foi melhor do que ninguém só porque agiu corretamente aos olhos do Senhor, no entanto ele era um homem que buscava a Deus e isso lhe rendeu frutos.

Pense nisso, oração mais coração contrito e humilhado… (to be continued, a few more times)

Não um superhomem, apenas um cara normal… (2)

Mais um cara normal que gostaria que analisássemos o seu perfil e comparássemos com nossa vida:

Nome: Moisés;

Local: Egito e, posteriormente, deserto;

Profissão: 40 anos príncipe, 40 anos pastor de ovelhas e 40 anos líder do povo de Deus no deserto.

Apesar de criado em berço de ouro, coisa que a maioria de nós não foi, Moisés, ao se deixar usar por Deus, se viu cercado de dificuldades com relação ao povo que lhe foi confiado… e as circunstâncias adversas que teve que lidar a partir de então. Quantos de nós já não passamos por problemas com subordinados irresponsáveis, ou mesmo com chefes que não largam do nosso pé, ou com ambos quando reclamam incessantemente e aparentemente sem motivo?

Moisés resistiu a servir a Deus com o papo que era pesado no falar (alguém aqui já deu desculpa semelhante a Deus na hora de servir? ou outra mais esfarrapada? eu provavelmente já dei centenas, infelizmente…), matou um homem egípcio (eu nunca matei ninguém, alguém aí já?), bateu na rocha quando deveria apenas falar à mesma, e passou por diversas situação que nos permitem afirmar que ele NÃO era um santo… será?

Circunstâncias positivas e negativas acontecem na vida de qualquer um, e assim o foi com Moisés. Moisés esteve sempre buscando a presença do Senhor: na sarça que havia no monte Orebe, diversas vezes no deserto, no monte Sinai quando passou 40 dias em jejum somente desfrutando da presença do Senhor, para então descer com as tábuas da Lei de Deus, e mesmo ainda no Egito quando desafiou Faraó obedecendo ao chamado de Deus para livrar o seu povo.

Misés era um homem de oração e profundo relacionamento com Deus. No entanto, um dia o Pai falou assim com Moisés, segundo Êxodo 14:15:

Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? dize aos filhos de Israel que marchem.

Oração foi sempre uma constante na vida destes não-superhomens, mas nesse momento Deus diz a Moisés que somente orar não significa nada se ficarmos de braços cruzados e não fizermos a nossa parte. A diferença se faz através da oração mais ação e se Deus já tem te falado para deixar de orar e começar a fazer, porque ainda estás chorando, se lamuriando, de joelhos, etc.? Arregace logo as mangas e mãos à obra que Deus talvez já tenha feito a parte dEle e só está esperando que faças a tua para que ela esteja completa.

Pense nisso, oração mais ação… (to be continued, again)

Não um superhomem, apenas um cara normal…

Vou escrever um pouco sobre algo que Deus tem falado ao meu coração esta semana, esta semana mesmo, senti isso hoje, segunda… sobre como nós não somos superhomens ou mulheres maravilha; mesmo tendo sido personagens bíblicos, eles passavam pelas mesmas dificuldades que nós passamos hoje em dia, e o porque e como eles foram vitoriosos é algo que devemos meditar.

Meu primeiro texto é de Tiago 5, e fala sobre Elias.

17 Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra.

18 E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.

Elias, para quem não conhece a história era um homem altamente complexo… embora demonstrasse coragem ao enfrentar os 400 profetas de baal, fugiu com medo da rainha… teve fé para orar a ponto de parar de chover, e orar novamente para voltar a chover, mas ainda assim ele acreditou que estava sozinho no seu ministério… Elias presenciou muitos momentos poderosos da presença de Deus, quando Ele consumiu com fogo o altar contendo mais agua do que sacrifício… mas quando estava sozinho, só sentiu a presença de Deus numa suave brisa, e não em terremotos ou trovões…

Elias era bastante depressivo, como o vemos lidar com a situação da fuga da rainha, do achar-se só na adoração e busca ao Senhor, quando o filho da viúva morre, etc… será que somos diferentes hoje em dia? Quem não já sentiu aquela deprê?

Tiago fala que Elias era homem, não era um "santo", na concepção católico-romana; igual a você e eu, passava pelas mesmas tribulações, problemas, pecados, mas ainda assim dependeu de Deus e essa foi a chave do seu sucesso. Um ponto fundamental na vida de Elias, que iremos perceber na vida de outros homens como ele, foi a oração.

Pense nisso, oração… (to be continued)

Amor… by Eliade Filho

O amor é como uma droga: promete sensações fora da normalidade, te deixa em êxtase, mas depois que passa o efeito da dose você está numa depressão…

Percebe-se também que, como a droga, o amor precisa de doses cada vez maiores, porque aquela quantidade de "amor" já não "dá barato", e se não usufrui da mesma, o indivídio passa a sofrer da síndrome da abstinência, experimentando toda sorte de efeitos colaterais físicos e emocionais…

Outra qualidade, se é que se pode chamar desta forma, é que, uma vez "limpo", o indivíduo que já amou, se "cair", usar mais uma dose, é como se voltasse a sentir tudo novamente, é como se estivesse viciado de novo, e terá que passar pelo processo de cura por completo mais uma vez…

Assim como existem vários tipos de droga, aquelas alucinógenas, as de excitamento ou ainda as depressivas, existem vários tipos de amor (toque físico, qualidade de tempo, etc.) que, no entanto, manifestam os mesmos sintomas no paciente e podem, inclusive, levá-lo a morte por overdose… desconheço a morte por abstinência, mas quem sabe é porque ainda não tenham chegado aos livros os casos que são tão comuns e todos conhecemos…