Esoterismo e superstição

Aqueles que me conhecem sabem que eu, particularmente, sou um cara bastante racional, até certo ponto eu diria que cético mesmo em relação a muita coisa do que dizem acontecer por aí.

 

Estava eu, hoje pela manhã, assistindo ao programa da Ana Maria Braga (que eu gosto, apesar das abobrinhas de vez por outra, como foi o caso hoje), quando apareceu uma mulher esotérica com várias "dicas" de superstição, e o que me chamou a atenção, além do fato dela usar supostamente a bíblia em algumas delas, o fato de Ana Maria Braga, como aliás a maioria dos religiosos desse país (e até tiro o católico, porque isso também tem valido, infelizmente, para os evangélicos, ou neo-evangélicos), acreditando e ficando altamente empolgada com as superstições que a mulher ensinava…

 

Eu acho incrível como nas nossas igrejas, voltando agora para o próprio umbigo, nós temos dado lugar a esse tipo de prática. Vejamos algumas coisas que ela citou, e notem que além de uma autora "sumidade" no meio esotérico nacional, ela ensinava como "superstição" mesmo, crendice, algo do gênero:

– Ao dar as mãos, a mão esquerda ficar virada para cima e a direita para baixo, significando que receberia pela esquerda e transmitiria pela direita as "bençãos", bons fluidos e demais energias positivas que ela citou.

– A questão da maldição, falando ela que as palavras tinham o poder de abençoar ou amaldiçoar a vida das pessoas, inclusive ela ensinou como quebrar as mesmas, o que me lembrou bastante o que tem sido ensinado na Igreja Universal e suas vertentes (Sara Nossa Terra, Igrejas Apostolicas diversas, G12 etc).

– A questão do sal como instrumento de purificação… alguém lembra do sal grosso e ritual do descarrego da Universal? Infelizmente, essa prática pagã, esotérica, já não mais se restringe à IURD…

– Leitura de versículos e uso deles como "chaves espirituais", até com abreviaturas das inicias dos mesmos, ou de frases de efeito, quase mantras, para afastar maus espíritos.

– Outras coisas bizarras.

 

Eu citei apenas algumas das considerações ensinadas pela mulher entrevistada pela Ana Maria Braga hoje… mas sejamos sinceros, quem nunca viu tais práticas sejam em uso ou ensinadas em alguma igreja evangelica, recentemente?

 

Eu participo de uma igreja Batista relativamente tradicional, não pentecostal, e já vi diversas vezes alguns, senão todos dos acima citados, e até outros que a mulher colocou lá, sendo considerados como verdade. Coisas sem fundamento bíblico, tirados Deus sabe de onde, vindos do esoterismo e "aprendidos" pelos evangélicos… É triste ver como livros de busca ao sobrenatural, que sabemos que são falsos, ou ainda que fossem reais, não deveriam ser teologizados, pois experiencias pessoais são individuais, e podem nunca se repetir, vendem feito água, enquanto a leitura da bíblia é colocada de lado, só serve para embasar supostas visões, aparições… é algo cabalístico, usando as palavras da entrevistada lá. É magia bíblica, vê se pode?!

 

Foi-se a época em que se discutia se batizava criança ou não, se perdia ou não a salvação, se os dons eram atuais ou não, se batismo no Espírito Santo era no momento ou após a conversão… isso ficou no passado, coisa pequena frente as teologias de que Deus tem que dar tudo quanto pedirmos, até o mal de alguém que nos incomoda se for o caso, Sal tem o poder de limpar, já que o sangue de Jesus deve ter perdido o efeito, dinheiro é a principal benção de Deus e ser abençoado é necessariamente ser rico, já que prosperidade tem tudo a ver com o dinheiro mesmo…

 

Eu não creio nisso que coloquei acima, só estou constatando algo que está aí descortinado na nossa frente, em cada igreja que frequentamos hoje em dia, igrejas mornas como Jesus disse que cuspiria, que perderam o seu primeiro amor, que acham importante dar o dízimo e ficar aquecendo o banco enquanto muita gente morre de fome lá fora, ou morre espiritualmente dentro das quatro paredes do templo por falta de pessoas que se levantem e digam que isso tudo é mentira, que o evangelho que Jesus pregou é simples, é renúncia (pessoal) à vida que levava, aos ídolos que possuía (e muitas vezes nem de barro são), é levar consigo a sua cruz, é caminho estreito e porta estreita e ao contrário dessa multidão de facilidades, acreditar que no mundo temos aflições, mas que Cristo venceu o mundo e pela esperança que temos nEle sabermos que Ele nos dá o ânimo que necessitamos para prosseguir.

 

É cada vez mais raro ouvirmos palavras sobre o "céu lindo céu", a volta iminente de Jesus, arrependimento, pecado, e cada vez mais sobre bençãos, prosperidade, milagres, sobrenatural… creio que tem algo errado… essa geração pede sinais, é uma geração de mantras e sentimentalismo, esqueceram o culto racional pregado por Paulo, e que Jesus disse que não daria mais sinais, pois depois de tantos ainda estavam cegos…

 

Que Deus possa nos perdoar porque não sabemos, literalmente, o que fazemos… como diria Estevão ou mesmo o Mestre. Jesus bem disse que os Fariseus e demais religiosos pecavam por não conhecer as escrituras nem o poder de Deus… será que hoje estamos muito diferentes?

Anúncios

2º Crônicas 1

Abrindo minha bíblia hoje para continuar o meu estudo sobre 1º Crônicas verifiquei, olhando para o índice, um check feito nesse livro… não lembrava mas isso significa que eu tinha terminado de ler o mesmo. Bem, de qualquer modo, comecei então a ler o livro de 2º Crônicas. Li a introdução ao livro, contexto histórico, autor etc e então passei ao primeiro capítulo.
O primeiro capítulo, que segue abaixo, conta a história do rei Salomão, seu coração e começo do reinado.
1 Ora, Salomão, filho de Davi, fortaleceu-se no seu reino, e o Senhor seu Deus era com ele, e muito o engrandeceu.
2 E falou Salomão a todo o Israel, aos chefes de mil e de cem, e aos juízes, e a todos os principes em todo o Israel, chefes das casas paternas.
3 E foi Salomão, e toda a congregação com ele, ao alto que estava em Gibeão porque ali estava a tenda da revelação de Deus, que Moisés, servo do Senhor, tinha feito no deserto.
4 Mas Davi tinha feito subir a arca de Deus de Quiriate-Jearim ao lugar que lhe preparara; pois lhe havia armado uma tenda em Jerusalém.
5 Também o altar de bronze feito por Bezaleel, filho de Uri, filho de Hur, estava ali diante do tabernáculo do Senhor; e Salomão e a congregação o buscavam.
6 E Salomão ofereceu ali sacrifícios perante o Senhor, sobre o altar de bronze que estava junto à tenda da revelação; ofereceu sobre ele mil holocaustos.
7 Naquela mesma noite Deus apareceu a Salomão, e lhe disse: Pede o que queres que eu te dê.
8 E Salomão disse a Deus: Tu usaste de grande benevolência para com meu pai Davi, e a mim me fizeste rei em seu lugar.
9 Agora, pois, ó Senhor Deus, confirme-se a tua promessa, dada a meu pai Davi; porque tu me fizeste rei sobre um povo numeroso como o pó da terra.
10 Dá-me, pois, agora sabedoria e conhecimento, para que eu possa sair e entrar perante este povo; pois quem poderá julgar este teu povo, que é tão grande?
11 Então Deus disse a Salomão: Porquanto houve isto no teu coração, e não pediste riquezas, bens ou honra, nem a morte dos que te odeiam, nem tampouco pediste muitos dias de vida, mas pediste para ti sabedoria e conhecimento para poderes julgar o meu povo, sobre o qual te fiz reinar,
12 sabedoria e conhecimento te são dados; também te darei riquezas, bens e honra, quais não teve nenhum rei antes de ti, nem haverá depois de ti rei que tenha coisas semelhantes.
13 Assim Salomão veio a Jerusalém, do alto que estava em Gibeão, de diante da tenda da revelação; e reinou sobre Israel.
14 Salomão ajuntou carros e cavaleiros; teve mil e quatrocentos carros e doze mil cavaleiros, que colocou nas cidades dos carros e junto de si em Jerusalém.
15 E o rei tornou o ouro e a prata tão comuns em Jerusalém como as pedras, e os cedros tantos em abundância como os sicômoros que há na baixada.
16 Os cavalos que Salomão tinha eram trazidos do Egito e de Coa; e os mercadores do rei os recebiam de Coa por preço determinado.
17 E faziam subir e sair do Egito cada carro por seiscentos siclos de prata, e cada cavalo por cento e cinqüenta; e assim por meio deles eram exportados para todos os reis dos heteus, e para os reis da Síria.
Só queria ressaltar algumas coisas que percebi nesse texto, coisas interessantes que Deus tem me falado:
  1. (V. 1) Salomão se fortaleceu no reino porque Deus era com ele. Deus era o deus de Salomão e Ele foi o motivo do seu sucesso como rei, e não apenas sucesso pessoal, mas sucesso para a nação inteira.
  2. (V. 6) Salomão era um rei que buscou não apenas esporadicamente a Deus, mas com constância e abundantemente. Adorar a Deus não era algo enfadonho, cansativo, mas um prazer para esse rei. Vemos que ele ofereceu a Deus 1000 holocaustos… quantos bois, carneiros e outros víveres não foram sacrificados, ou seja, quanto dinheiro, quantos recursos Salomão não precisou despender para isso. É engraçado como muitas vezes não temos sequer 1 real para dar de oferta, quando qualquer lanche ou cinema não sai por menos de 10 reais… Além disso vemos a disposição do Rei em passar tempo na presença do Pai pois cada sacrifício era um ritual demorado e não podia ser feito de qualquer jeito. Hoje em dia nos cansamos com cultos que dificilmente ultrapassam uma hora e meia…
  3. (Vv. 7-12) Jesus disse que não recebíamos o que pedíamos porque não sabíamos pedir. Aqui vemos alguém que soube pedir. Pediu algo de valor (sabedoria), não foi egoísta, mas procurou algo que beneficiasse todo o seu povo, não apenas isso, mas algo que permaneceria por gerações. Bens materiais mudam constantemente de valor, cotações de moedas e valorização artística tornam algo mais ou menos importante. No entanto, o dom rebecido por Salomão permitiu a ele julgar e presidir uma nação que fora eleita por Deus como modelo ao mundo. Esse tem sido um tempo onde tudo se pede a Deus, menos sabedoria. É engraçado porque vemos que Deus, após dar sabedoria a Salomão, deu os demais recursos que ele necessitava, e deu muito mais além… no entanto, quando somos egoístas e pedimos recursos financeiros, muitas vezes recebemos mas não possuímos a sabedoria, o discernimento, a maturidade para administra-lo e vemos ele escorrendo pelo ralo…

Que Deus nos abençoe, especialmente concedendo-nos o dom da sabedoria e do conhecimento, para que possamos julgar esse mundo que nos cerca, e andarmos na verdade que é Jesus. Infelizmente sabedoria não é um dom muito solicitado, ao contrário de riquezas… que pena que o conceito de prosperidade está tão ligado ao âmbito material…